A primeira central nuclear do mundo foi inaugurada há 65 anos atrás

Amanhã cumprem-se 65 anos desde a inauguração da primeira central nuclear do mundo na cidade de Obninsk, Rússia. Semelhante ao reator nuclear de Chernobyl, terá registado algum acidente severo? Contamos-lhe aqui.

Alfredo Graça Alfredo Graça 26 Jun. 2019 - 21:28 UTC
Cumpre-se a 27 de junho, 65 anos de inauguração da primeira central nuclear do mundo, em Obninsk, na Rússia.

O mundo nunca antes se tinha deparado com uma central nuclear... até 1954, ano em que a Rússia, através da cidade de Obninsk, a tornou na primeira referência da história mundial. De facto, a central estava em construção há três anos e funcionou durante 48 anos até ser desativada em 2002.

Apesar de então esta central nuclear posicionar-se na vanguarda durante a Guerra Fria, não teria como principal função providenciar vantagem aos soviéticos. Na realidade, a importância desta central transformou o uso da energia nuclear nas forças armadas para o comum dos civis que agora podem utilizá-la, dado que impulsionou empresas e residências, mostrando proeza económica e científica. Esta nuclear produziu inicialmente cerca de 5000 kW, o suficiente para abastecer cerca de 2000 habitações.

Em grande parte do seu tempo de ‘vida’, imensos projetos foram concretizados em Obninsk. Inicialmente, os físicos desenvolveram reatores regeneradores, reatores de propulsão submarina para a Marinha e um reator de grafite de 5000 quilowatts. A central também foi palco da criação de plutónio e eletricidade para uso em armas.

Breve História e Geografia de Obninsk

Obninsk é uma cidade russa enquadrada no oblast de Kaluga. Situa-se nas margens do rio Protva, a cerca de 110 km a sudoeste de Moscovo. Em 2010 contava com 104 mil habitantes. Obninsk tornou-se o local da primeira central nuclear do mundo, inaugurada a 27 de junho de 1954. Este lugar transformou-se no símbolo do triunfo da União Soviética durante os eventos da Guerra Fria, tendo sido usada quer para fins militares quer para fins civis.

O reator de Obninsk era semelhante ao de Chernobyl, local do maior acidente nuclear da história a 26 de abril de 1986. Além de ser a primeira central nuclear do mundo, Obninsk foi a primeira a ser desativada corretamente.

Motivos do seu encerramento

A construção da primeira central nuclear do mundo teve inícío a 1 de janeiro de 1951 e recebeu autorização de funcionamento a 27 de Junho de 1954. Durante quatro anos, até à abertura da central nuclear da Sibéria, Obninsk foi o único reator de energia nuclear na União Soviética. A central permaneceu ativa até 29 de abril de 2002, quando foi finalmente desligada.

Nos seus 48 anos de atividade, não registou incidentes significativos que pudessem ter potencialmente resultado em mortalidade através da libertação de radioatividade para o ambiente. Ao longo dessas décadas, a central teve como objetivo a exploração de redes elétricas e produção de eletricidade, e ainda de forma mais intensa, a pesquisa e produção de isótopos.

As razões que levaram ao seu encerramento foram o facto de estar muito velha e não existir dinheiro suficiente para a sua gestão, segundo o Ministério da Energia Atómica russo. Nos últimos anos já só decorriam investigações dentro das suas instalações. Aliás, atualmente assume-se como um dos maiores centros de investigação para a Ciência e Tecnologia Nuclear em toda a Rússia. Os estudos abrangem desde a química de radiação, até à fissão nuclear, reatores nucleares, proteção, entre outros.

Publicidade