Tempestades de areia e granizo invadem a Austrália

Duas tempestades violentas atingiram a Austrália nos últimos dias: uma de areia e outra de granizo, gerando imagens apocalípticas. Depois dos incêndios, vieram as chuvas torrenciais e a poeira. Confira os detalhes aqui.

Alfredo Graça Alfredo Graça 21 Jan. 2020 - 23:35 UTC

A primeira tempestade, a de areia, atingiu a região de Nova Gales do Sul, cobrindo cidades inteiras de poeira e escurecendo-as uma vez que impediu a passagem da luz do Sol. Deslocou-se velozmente, abarcando vários bairros residencias em alguns minutos e escurecendo o céu azul. Segundo dados do Departamento de Meteorologia da Austrália, os fortes ventos locais tiveram rajadas máximas de vento de 95 km/h em Parkes e até 107 km/ h em Dubbo. Devido ao facto de este estado estar a sofrer com a seca meteorológica há vários anos, a terra apresenta-se seca e o solo muito solto, o que favorece o surgimento de poeira pelo ar.

A segunda tempestade, a de granizo, invadiu cidades do sudoeste da Austrália descarregando pedras de granizo semelhantes a bolas de golfe devido ao seu tamanho, menos de 24 horas depois desta região ter sido atingida pela tempestade de areia.

O granizo partiu janelas de carros, feriu pássaros em Canberra hoje à tarde (horário local). A tempestade foi-se movimentando rumo às cidades de Sydney, Wollongong e Newcastle, de acordo com a rede de televisão norte-americana CNN, que citou o departamento de meteorologia australiano.

A chuva aliviou o sofrimento dos habitantes e dos bombeiros, que têm vindo a combater os incêndios mais violentos da Austrália nas últimas décadas. No entanto, estas chuvadas não se revelaram suficientes para apagar as chamas e também não deverão ser suficientes para terminar com a seca, segundo a CNN.

Publicidade