tempo.pt

O que é a impressionante nuvem de fogo fotografada nos Estados Unidos?

Após várias semanas dos incêndios florestais que têm afetado Calf Canyon e Hermit Peaks, no estado do Novo México, EUA, foi registada, a 10 de maio, via fotografia e imagem de satélite, uma espetacular e assustadora nuvem de fogo, também conhecida como pirocúmulo. Saiba mais aqui!

Pirocúmulo; nuvem de fogo
Impressionante nuvem de fogo, ou pirocúmulo, nuvem que se forma a partir de incêndios florestais ou erupções vulcânicas.

Na animação que abaixo se pode observar, verifica-se, nas 4 imagens captadas pelo satélite GOES-16 que a porção norte do incêndio em Calf Canyon/Hermits Peak, no Novo México, EUA, produziu uma nuvem de pyrocumulonimbus (piroCb) a 10 de maio de 2022.

O comportamento do fogo extremo foi estimulado pelas rajadas de vento de superfície, num intervalo de 67-102 km/h, e ar muito seco, que atuaram em conjunto como combustíveis, decorrentes da atual seca. Durante as horas noturnas anteriores ao surgimento do pirocúmulo, a imagem de satélite mostrou a luz brilhante emitida e a assinatura térmica quente dos incêndios ativos ao longo da periferia da área queimada - especialmente ao longo da frente de incêndio do norte, o que acabou por produzir a nuvem de piroCb.

Cronologia do incêndio de Calf Canyon, que acabou por se fundir com o de Hermit Peaks

A 19 de abril de 2022, um segundo incêndio deflagrou a vários quilómetros a oeste de Hermit Peaks, também dentro da Floresta Nacional de Santa Fe. Foi oficialmente nomeado o Calf Canyon Fire. A causa do incêndio é atualmente desconhecida. As condições meteorológicas severas dos incêndios continuaram durante as semanas seguintes. Entre 29 de abril e 4 de maio, o incêndio cresceu mais de 4046 hectares por dia.

A 3 de maio, o agora combinado incêndio de Calf Canyon e Hermits Peak tornou-se o segundo maior incêndio selvagem dos registos históricos do estado do Novo México. Vários dias mais tarde, a 7 de maio começou um período "sem precedentes" de tempo adverso, que, durante mais uma semana, foi alimentando o rápido crescimento do incêndio, sobretudo na vertente norte.

O incêndio, que ainda está em curso atualmente, produziu ocasionalmente nuvens de pyrocumulonimbus. As colunas de fumo eram bastante visíveis em longas distâncias, incluindo em Santa Fe, Taos, Moriarty, e Albuquerque, uma delas a que deu origem à fotografia e à animação de satélite presente neste artigo, como se pode ver acima.

Como se forma um pirocúmulo?

Um pirocúmulo, ou nuvem flammagenitus, é uma nuvem de grande desenvolvimento vertical formada através do aquecimento do ar, a partir de erupções vulcânicas ou incêndios. É semelhante em alguns aspetos a um incêndio, e os dois fenómenos podem ocorrer em conjunto uns com os outros.

No entanto, pode ocorrer um sem o outro. São ambos fenómenos naturais (mas no caso dos incêndios podem ser provocados voluntária ou involuntariamente pelo homem). No caso de um incêndio florestal, é o intenso foco de calor que gera ascensões vigorosas de ar muito quente, misturado com gases e partículas de fumo e cinzas provenientes da queima de matéria vegetal.

À medida que o fumo gigante ganha altura e atinge níveis atmosféricos onde o ambiente é suficientemente frio, o vapor de água, que em grandes quantidades consegue atingir o topo, muda de estado, formam-se gotículas de água líquida e embriões de gelo e começa a surgir o pirocúmulo, adotando a forma de uma couve-flor no topo.

Os pirocúmulos gerados pelos grandes incêndios florestais (conhecidos como mega incêndios) conseguem atingir altitudes superiores a 11 quilómetros (o nível da tropopausa em latitudes médias) e penetrar na baixa estratosfera. Os ventos intensos que sopram na parte superior da troposfera e na parte inferior da estratosfera contribuem para estender a parte superior da nuvem na horizontal e para transportar as partículas minúsculas de fumo para longas distâncias.

As grandes dimensões que algumas destas nuvens convectivas atingem, favorecem na sua parte superior os processos de precipitação, bem como a atividade elétrica, produzindo aguaceiros e raios dentro dos próprios incêndios.

Atente-se à palavra pirocúmulo, o prefixo piro- tem origem no termo grego pyros, que significa "fogo", no caso de "flammagenitus", o seu significado é "gerado pela chama ou fogo", daí o nome para identificar as nuvens geradas tanto por incêndios florestais como por erupções vulcânicas.

Podem ocorrer em Portugal?

A formação de pirocúmulos em Portugal, não é algo fora do comum, na medida em que todos os anos se gera um número significativo de incêndios florestais, dos quais alguns atingem grandes dimensões. A época alta dos incêndios é o período estival, embora possam ocorrer em qualquer altura do ano e, infelizmente, a maioria deles são provocados.