tempo.pt

O misterioso Ponto Nemo, o que é e onde fica este lugar inacessível?

A terra firme mais próxima deste "pólo de inacessibilidade" fica a quase 2700 km de distância, mas mesmo assim a influência humana ainda se faz sentir. Onde fica? O que existe neste lugar? Contamos-lhe aqui.

Ponto Nemo o lugar mais inacessível do planeta
Há um lugar na Terra tão afastado da Humanidade que, por vezes, os astronautas são os humanos mais próximos dele.

Existe um lugar no vasto e misterioso oceano Pacífico que está tão longe de terra firme e de qualquer lugar habitado que os humanos mais próximos são os astronautas da Estação Espacial Internacional. Trata-se do conhecido Ponto Nemo, provavelmente o mais famoso dos "pólos de inacessibilidade" do nosso planeta.

Foi batizado como Ponto Nemo, em homenagem ao famoso anti-herói marinho do escritor Júlio Verne. E Nemo significa "ninguém" em latim, algo que parece muito apropriado para este lugar, pois raramente é visitado por humanos.

Onde fica o lugar mais inacessível do planeta?

Em 1992, o engenheiro croata-canadiano Hrvoje Lukatela calculou a localização exata do que é tecnicamente conhecido como o "pólo oceânico de inacessibilidade". Para conhecer com exatidão a sua geolocalização, foi necessário utilizar um programa informático especializado que incorporasse a forma elipsóide da Terra para alcançar uma precisão máxima. Assim, o ponto mais remoto de todo o planeta respeitante a qualquer superfície terrestre foi descoberto: o que mais tarde seria conhecido como Ponto Nemo.

O Ponto Nemo situa-se a quase 2700 km da terra mais próxima.

Segundo o National Ocean Service dos EUA, situa-se a quase 2700 quilómetros de distância das terras mais próximas: a Ilha Ducie (Arquipélago das Pitcairn) a norte, Motu Nui (perto da Ilha de Páscoa) a nordeste, e a sul, Ilha Maher na Antártida.

Para sermos mais exatos, as suas coordenadas são 48°52.6′S, 123°23.6′W. Segundo Lukatela, a localização de três pontos equiláteros é especialmente única, pois não existem outros três pontos na superfície da Terra que os possam substituir. Novas medições ou a erosão poderiam alterar a sua localização, mas só na ordem de alguns metros. A profundidade do Pacífico nesta área é de cerca de 3700 metros.

Num dia normal, os humanos mais próximos ao Ponto Nemo são os astronautas da ISS, que orbita a cerca de pouco mais de 400 km.

Por incrível que pareça, normalmente os humanos mais próximos deste canto do planeta são os astronautas da Estação Espacial Internacional, que orbita o nosso planeta a uma distância máxima de 416 quilómetros.

Um grande cemitério espacial

Graças à sua inacessibilidade, o Ponto Nemo é o local escolhido para despejar todos os detritos espaciais que provêm das missões e que devem regressar à Terra sem colocar em risco a população. De facto, a NASA planeia que até 2031 a Estação Espacial Internacional, cuja entrada na atmosfera fará com que algumas das suas partes se soltem e permaneçam como detritos espaciais, irá despenhar-se neste ponto de forma controlada.

Não será a primeira, já que nas profundezas desta localização repousam os restos da antiga estação espacial soviética MIR, a primeira dedicada à investigação que esteve habitada de forma permanente.

Nem tudo é tão idílico como parece

O Ponto Nemo situa-se quase no centro da Corrente Circular do Pacífico Sul, que está bloqueada mais a sul pela Corrente Circumpolar Antártica, o que impede a chegada de correntes mais frias carregadas de nutrientes. Tampouco chegam grandes quantidades de matéria orgânica arrastadas pelo vento ao estar tão longe de terra firme. Segundo o oceanógrafo Steven D'Hondt (Universidade de Rhode Island, Estados Unidos), o Ponto Nemo está na região oceânica menos biologicamente ativa do mundo.

Além disso, um estudo publicado em 2013 confirmou que existe uma grande ilha de lixo no Giro do Pacífico Sul. A maior acumulação foi no centro, cerca de 2500 km a nordeste de Ponto Nemo. É composta principalmente de plásticos como o poliestireno, linhas de pesca e fragmentos de navios e da linha de costa.

Um lugar repleto de mitos e lendas

Em 1997, alguns oceanógrafos gravaram um som misterioso a menos de 2000 km de distância a leste de Ponto Nemo, provocando curiosidade e medo. Batizado como "O Bloop", era mais forte do que o emitido por uma baleia azul, e na altura foi especulado que seria produzido por um grande e desconhecido monstro marinho. No entanto, a NOAA alegou mais tarde que era o som do gelo, especificamente um iceberg a partir-se.

Em 1997 foi gravado um som raro que, mais tarde, ficou conhecido como "El Bloop", que era o som de um iceberg a partir-se.

Não obstante, antes deste acontecimento já corriam rumores sobre o tipo de seres vivos que poderiam habitar o lugar mais inacessível do planeta. Curiosamente, 66 anos antes de ser descoberto, o autor H. P. Lovecraft escolheu um lugar muito próximo do Ponto Nemo para localizar R'lyeh, o lar de Cthulhu, a sua lendária criatura com rosto de tentáculos.