tempo.pt

O aquecimento do Ártico está a acontecer mais rápido do que se pensava

O aquecimento no topo do globo, um sinal de mudança climática, está a acontecer muito mais rapidamente do que anteriormente descrito em comparação com a média global, afirmam os cientistas.

degelo; alterações climáticas
A região tem aquecido quatro vezes mais depressa do que a média global.

Durante as últimas quatro décadas, a região tem aquecido quatro vezes mais depressa do que a média global, não as duas a três vezes que têm sido relatadas com frequência. E algumas partes da região, nomeadamente o Mar de Barents a norte da Noruega e da Rússia, estão a aquecer até sete vezes mais depressa, afirmaram os cientistas.

Um dos resultados do rápido aquecimento do Ártico é um degelo mais rápido do manto de gelo da Gronelândia, o que contribui para a subida do nível do mar. Mas os impactos estendem-se muito para além do Ártico, chegando a influenciar o clima como chuvas extremas e ondas de calor na América do Norte e noutros locais. Ao alterar a diferença de temperatura entre o Polo Norte e o Equador, o aquecimento do Ártico parece ter afetado as pistas de tempestade e a velocidade do vento na América do Norte.

Manvendra K. Dubey, cientista atmosférica do Laboratório Nacional de Los Alamos e autora de um estudo anterior com conclusões semelhantes, disse que o ritmo de aquecimento mais rápido do Ártico é preocupante, e aponta para a necessidade de acompanhar de perto a região.

Sinais de mudança climática

Apenas semanas após uma mortífera onda de calor ter-se fixado nas capitais europeias, quebrando recordes na Grã-Bretanha, as temperaturas extremas estão novamente a engolir a Europa Ocidental esta semana. A precipitação mais intensa em décadas inundou Seul, Coreia do Sul, matando pelo menos nove pessoas e danificando quase 3 mil estruturas. E o incêndio selvagem de McKinney continua a irromper no Norte da Califórnia, sendo que já destruiu 60.000 acres, matou quatro pessoas e provocou uma matança em massa de peixes.

Se a taxa de aquecimento no Ártico continuar a acelerar, a influência no clima poderá agravar-se, disse um dos investigadores. E as projeções dos futuros impactos climáticos poderão ter de ser ajustadas, disse Mika Rantanen, um investigador do Instituto de Meteorologia Finlandês em Helsínquia.

O objetivo é que todas as grandes economias reduzam as suas emissões até 2050, para que o planeta limite o aumento médio da temperatura global a 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais. Para além desse limiar, a probabilidade de secas catastróficas, inundações, incêndios e ondas de calor aumenta significativamente. O planeta já aqueceu uma média de cerca de 1,1ºC.

Embora os cientistas há muito que sabem que as temperaturas médias no Ártico estão a aumentar mais rapidamente do que no resto do planeta, a taxa tem sido uma fonte de confusão. Estudos e notícias estimam que é duas a três vezes mais rápido do que a média global.

O Ártico está a aquecer mais rápido que o resto do mundo: porquê?

O Dr. Rantanen disse que ele e os seus colegas decidiram analisar esta questão no Verão de 2020, quando as intensas ondas de calor no Ártico siberiano atraíram muita atenção. "Ficámos frustrados com o facto de haver este ditado que diz que o Ártico está a aquecer duas vezes mais depressa do que o globo terrestre", disse ele. "Quando se olha para os dados, pode-se facilmente ver que está perto de quatro". O seu estudo foi publicado na revista Communications Earth and Environment.

Os resultados deste são reforçados pelo estudo anterior, onde encontraram taxas de aquecimento semelhantes, embora num período de tempo diferente.

As ondas de calor no Ártico despertaram o interesse de vários cientistas que chegaram à conclusão que, de facto, esta região aquece mais do que o resto do globo.

O Ártico está a aquecer mais rapidamente em grande parte devido a um ciclo de feedback em que o aquecimento derrete o gelo marinho na região, o que expõe mais do Oceano Ártico à luz solar e leva a mais aquecimento, o que por sua vez leva a ainda mais degelo e aquecimento. O resultado deste e de outros processos oceânicos e atmosféricos é denominado como "amplificação do Ártico".

O Dr. Rantanen frisou que os resultados do seu grupo também apontam para um papel desempenhado pela variabilidade natural na taxa de aquecimento, talvez algumas mudanças a longo prazo na circulação oceânica ou atmosférica.