tempo.pt

NOAA e Saildrone lançam sete drones de superfície para rastreio de furacões

Em parceria com a NOAA, a Saildrone Inc. está a utilizar sete drones oceânicos para recolher dados de furacões durante a época de furacões de 2022, com o objetivo de melhorar a previsão de furacões.

Drone a sobrevoar uma praia
Durante o primeiro ano, dois drones irão seguir os furacões no Golfo do México.

Esta semana, a Saildrone lançou dois drones no Golfo do México, um de São Petersburgo, Florida, e outro de Port Aransas, Texas. Cinco outros drones foram lançados com sucesso este Verão a partir da costa de Jacksonville, Florida e das Ilhas Virgens Americanas para fazer o levantamento do Oceano Atlântico e do Mar das Caraíbas.

Um dos maiores desafios à previsão de furacões é prever uma rápida intensificação, quando a velocidade do vento dos furacões aumenta, pelo menos, 56 km/h ao longo de um período de 24 horas.

Para compreender plenamente como as tempestades se intensificam, os cientistas recolhem dados sobre a troca de energia entre o oceano e a atmosfera, sob as formas de calor e impulso. No entanto, a recolha de dados neste ambiente perigoso realiza-se melhor por sistemas não desenhados.

O novo sistema de previsão

Cinco drones apoiados pelo Uncrewed Systems Operations Center da NOAA e pelo Weather Program Office da NOAA irão operar no Oceano Atlântico ocidental e no Mar das Caraíbas em áreas frequentadas por tempestades tropicais e furacões. Outros dois drones irão operar no Golfo do México, apoiados pelo Programa de Observação e Monitorização Global dos Oceanos da NOAA.

Estes drones estão equipados com uma "asa de furacão" especial, que parece uma vela dura, para resistir às condições extremas de vento encontradas nas tempestades à medida que recolhem dados do oceano e atmosfera próxima da superfície em tempo real.

Os dados serão utilizados para melhorar a nossa compreensão e previsão das alterações de intensidade dos ciclones tropicais e para avançar o nosso conhecimento das interações oceano-atmosfera que os alimentam.

A NOAA e os cientistas parceiros irão colocar planadores subaquáticos equipados com sensores que medem a temperatura e salinidade até 800 metros abaixo da superfície do oceano.

Estes planadores fornecem dados de alto volume e de alta resolução em áreas onde os furacões viajam frequentemente. Devido à forte interação entre o oceano e a atmosfera durante a passagem de um furacão, uma melhor representação do oceano em modelos meteorológicos levou a previsões de intensidade mais precisas.

À medida que surgem oportunidades, os drones coordenar-se-ão também com o sistema de pequenas aeronaves, o Altius-600. As aeronaves Altius-600 serão lançadas em furacões, pela primeira vez, a partir das aeronaves Caçadoras de Furacões da NOAA para recolher amostras da atmosfera a várias centenas de metros acima da superfície do oceano.

Para além dos drones, serão utilizados planadores aquáticos e meios aéreos, em simultâneo, de forma a melhorar as previsões dos furacões.

O objetivo é recolher as primeiras medições aéreas e atmosféricas coordenadas num furacão a partir de meios aéreos e oceânicos não atracados. A coordenação destes instrumentos, que consiste na amostragem simultânea do oceano e da atmosfera perto um do outro em tempo real, fornecerá dados de alta resolução de todas as partes do ambiente do furacão para melhorar a consciência situacional das previsões, levando a previsões melhoradas.