tempo.pt

La Niña e o clima extremo no nosso planeta

Nas últimas semanas temos experimentado condições climáticas muito extremas com recordes de frio e calor, queda de neve, inundações e seca. Embora as temperaturas globais estejam a aumentar, nem todo o planeta está a aquecer.

Clima extremo
As condições quentes continuam a prevalecer em todo o mundo, mas também há relatos de frio e neve.

Após a onda de calor na Europa, alguns países voltaram ao tempo normal para a época, como é o caso do Reino Unido onde, depois de atingir 40 °C no dia 20 de julho, está agora à volta dos 15-20 °C; no entanto, Espanha e Portugal continuam a atingir extremos que ultrapassam os 40 °C. Por outro lado, o frio e o gelo também estão presentes no meio do Verão entre a China, Gronelândia, Alasca e, claro, no Hemisfério Sul.

O fenómeno La Niña, com efeitos a nível planetário, será reforçado nos próximos meses, basicamente ao longo do Verão até ao Inverno setentrional. Nas últimas semanas, os ventos de leste dominaram o Pacífico equatorial com força recorde, ultrapassando todos os acontecimentos anteriores; isto favorecerá a emergência de águas frias profundas. Haverá surpresas este Inverno?

Queda de neve e calor canicular inusitados

Ao contrário de todos os meios de comunicação social, aqui começaremos a falar de condições climáticas frias. A Gronelândia registou mais ganhos de massa do que perdas de massa na estação 2021-2022, com acumulações acima do normal, ou seja, mais gelo/neve do que nos últimos anos. As temperaturas no interior desta grande ilha rondam os -30 °C ou mesmo mais baixas, enquanto nas partes mais baixas perto do mar existem 5 a 20 °C sem gelo, o que é normal para o Verão e para a época de fusão.

No noroeste da China, nas montanhas da província de Gansu, nevou este Verão, e, embora possa ocorrer entre Maio e Junho, é muito raro em Julho, com os meios de comunicação locais a salientarem que não ocorre desde a década de 1970. Por outro lado, no Médio Oriente, entre Omã e os Emirados Árabes Unidos, há também um raro evento de chuva e queda de temperatura, onde num ano médio as temperaturas são de 45-50 °C e dias ensolarados, agora haverá chuva e temperaturas de 15-30 °C.

No Pólo Norte, grande parte do Mar Ártico continua a ser dominado por sistemas de baixa pressão associados à cobertura de nuvens, queda de neve e temperaturas de cerca de 0 °C, suportando um degelo lento, sem dúvida um Verão muito fresco a frio, que chegará à Rússia, Alasca e Canadá nos próximos dias. Contudo, partes dos Estados Unidos, México e Europa têm tempo quente e seco, mas no caso da América Central e do Norte, estão à espera que o Oceano Atlântico se torne ativo e que apareçam ciclones.

A previsão de uma estação ativa de ciclones vai ser cumprida?

Estranhamente, o Atlântico tem estado basicamente "adormecido" até agora durante esta estação, tendo-se formado apenas três ciclones, um dos quais, Colin, que durou menos de 24 horas. Nas condições estatísticas La Niña, os ventos alísios e o cisalhamento (mudança na direção e intensidade do vento) tendem a ser menos favoráveis à formação de ciclones.

Atualmente estes ventos têm sido mais fortes, juntamente com mares mais frios, impedindo a evolução dos ciclones, e tem havido várias incursões de poeira do Sahara (massa de ar seco). A longo prazo, os modelos mostram um aumento gradual da instabilidade e fatores que poderão favorecer a formação de mais ciclones e, de facto, não seria raro que os sistemas ciclónicos se formassem rapidamente entre agosto e outubro, pelo que devemos estar muito atentos.