tempo.pt

Guerra e alterações climáticas: como o comércio do trigo se tem erguido

O preço do trigo caiu após a Rússia ter invadido a Ucrânia, mas os especialistas dizem que um dos alimentos mais consumidos no mundo continua a ser escasso e avisam que uma crise de fome global não é descabida.

campo de trigo
A Ucrânia e a Rússia são responsáveis por cerca de um quarto das exportações globais de trigo, de acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA.

Tal como o petróleo, o aço, a carne de bovino e outras mercadorias integrantes da economia, o trigo muda de preço e de disponibilidade em resposta a um conjunto complexo de fatores sobrepostos, tais como a geopolítica e o clima. Embora a queda do preço do trigo ofereça alguma folga aos países dependentes da importação da cultura, pode dissuadir os agricultores de plantar mais.

A queda do preço também não aborda problemas pré-existentes agravados por uma guerra entre dois dos maiores produtores do mundo. Os preços da energia permanecem elevados, afetando o custo do funcionamento do equipamento agrícola e do transporte do trigo para o mercado, bem como o custo do fertilizante. E o tempo quente e seco, que influencia o rendimento das culturas, está a tornar-se mais comum.

Os efeitos da guerra no comércio de alimentos e petróleo

A invasão russa da Ucrânia fez disparar os preços dos alimentos e dos combustíveis, uma vez que a guerra e as sanções perturbaram o abastecimento de dois dos maiores exportadores mundiais de agricultura e energia. Os dois países juntos representam cerca de um quarto das exportações mundiais de trigo, de acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

Os efeitos da guerra na Ucrânia estão a afetar a sociedade em todos os níveis e podem tornar-se numa crise a longo prazo. Crise esta que não será apenas económica.

Os preços do petróleo diminuíram um pouco desde o início da guerra, embora ainda custe muito mais do que no início do ano para os americanos encherem os seus carros com gasolina, para os europeus aquecerem as suas casas com gás natural e para praticamente qualquer pessoa, em qualquer lugar, fazer qualquer coisa relacionada com o custo do petróleo. Os preços do trigo, no entanto, caíram para aproximadamente onde começaram o ano.

O preço de um tipo de trigo amplamente comercializado que começou o ano a cerca de 7,56€ por alqueire (unidade de medida de capacidade para secos e líquidos, que varia entre 13 e 22 litros) saltou para 12,77€ na sequência imediata da invasão russa da Ucrânia no final de Fevereiro, de acordo com contratos negociados em Chicago. O preço permaneceu na sua maioria em dois dígitos até meados de Junho, quando começou a cair.

Após o choque inicial da invasão, os preços mais elevados dissuadiram alguns países de comprar trigo, baixando a procura e pesando nos preços. Um aumento da oferta das colheitas de trigo de Inverno também fez baixar os preços nas últimas semanas.

As alterações climáticas estão a tornar as colheitas de trigo menos previsíveis

As secas do ano passado fizeram com que, mesmo antes da Rússia invadir a Ucrânia, os mercados alimentares mundiais estivessem sob pressão.

Enquanto algumas regiões como a Argentina viram colheitas abundantes, e espera-se que a Rússia tenha uma colheita abundante este Verão, o calor severo e a baixa pluviosidade afetaram a quantidade de trigo que outras puderam cultivar.

O declínio da oferta global resultante do tempo adverso já tinha ajudado a fazer subir os preços deste ano. Em janeiro de 2020, o trigo era cerca de 30 por cento mais barato do que é atualmente.

Espera-se que a produção canadiana de trigo aumente durante o próximo ano. Assim como a colheita da Primavera nos Estados Unidos, liderada pelo Dakota do Norte, seja robusta. Mas a Europa tem vindo a sofrer de uma vaga de calor, o que suscita preocupações quanto a um fraco rendimento, enquanto a Índia proibiu as exportações de trigo em Maio por causa da seca.

Especialistas advertem que as flutuações meteorológicas são suscetíveis de se tornarem mais pronunciadas, aumentando a incerteza sobre a produção global e a direção dos preços no futuro.