Incêndios florestais na Califórnia provocam milhares de desalojados

Neste momento, o estado da Califórnia nos Estados Unidos da América, está a ser afetado por grandes incêndios florestais devido ao tempo quente e seco que já provocou milhares de desalojados. Contamos-lhe tudo aqui!

Teresa Abrantes Teresa Abrantes 26 Out. 2019 - 10:22 UTC
Nos últimos meses do ano a Califórnia é afetada por incêndios florestais.

Enquanto na Europa a ocorrência de fortes chuvadas e temperaturas a descer estão a condicionar o estado do tempo em algumas regiões, na Califórnia, as temperaturas elevadas, ventos fortes e tempo seco provocam nesta altura do ano um risco de incêndio extremamente elevado. Na Califórnia, desde o início do ano, já arderam mais de 64.749 hectares (ha) devido aos incêndios florestais.

Incêndio florestal em Kincade

Alguns incêndios florestais têm deflagrado nos últimos dias na Califórnia mas há um de grandes proporções que atingiu o nordeste do condado de Sonoma, na Califórnia, queimando mais de 4.046 ha e forçando a evacuação de 2.000 moradores, incluindo toda a cidade de Geyserville.

De acordo com dados oficiais, o incêndio deflagrou às 21:00 horas de quarta-feira e em 3 horas já atingia milhares de hectares, destruindo vegetação, floresta e até algumas casas. A propagação deste incêndio foi muito rápida devido aos ventos fortes que se faziam sentir.

Corte de energia

Menos de duas semanas após o apagão em grande parte do norte da Califórnia, a companhia de eletricidade, a maior empresa de serviços públicos do estado, começou a alertar que devido ao elevado risco de incêndio a energia eléctrica poderia ser cortada a cerca de meio milhão de pessoas.

Em situações de vento muito forte, uma medida de prevenção para impedir a deflagração de incêndios, é o corte de energia.

Os cortes preventivos poderiam afetar 16 municípios, principalmente no sopé da Serra e no norte da área da baía de São Francisco. Na quarta-feira à tarde a concessionária desligou a energia em partes de Sonoma e outros municípios do norte da Califórnia, num esforço para impedir que os incêndios fossem provocados por linhas de energia danificadas ou derrubadas pelos ventos fortes.

Nos últimos anos a companhia eléctrica PG&E foi responsabilizada por provocar vários dos incêndios mais mortais e destruidores da Califórnia.

E a meteorologia?

De acordo com o Serviço Nacional de Meteorologia, nos últimos dias as rajadas de vento atingiram os 122 km/h, daí a rápida propagação do incêndio de Kincade. O Serviço Nacional de Meteorologia alertou em comunicado que esta poderia ser uma das semanas mais críticas para a deflagração de incêndios florestais devido às temperaturas muito elevadas e aos ventos fortes de Santa Ana.

Nesta altura do ano, na Califórnia, o tempo quente e seco aumenta o risco de incêndio florestal. Nove dos dez incêndios florestais mais devastadores da Califórnia foram registados nos últimos quatro meses do ano, incluindo mais recentemente os incêndios de Camp e Woolsey em novembro de 2018, o incêndio de Thomas em dezembro de 2017 e os incêndios de Nuns e Tubbs em outubro de 2017, de acordo com os dados de Cal Fire.

Publicidade