tempo.pt

Eclipse solar extremamente raro está prestes a acontecer!

Os eclipses solares são a sombra da Lua projetada sobre a Terra, em rotação. Existem quatro tipos de eclipses solares e o mais raro é o híbrido. Entenda a diferença entre eles e o principal motivo para ver o próximo.

Eclipses Solares
O eclipse anular híbrido é um tipo raro de eclipse solar.

De um modo geral, os eclipses acontecem porque a Lua é quase 400 vezes menor que o Sol; mas, é aproximadamente 400 vezes mais próxima da Terra, o que faz com que pareça que ambos tenham o mesmo tamanho no nosso céu. Quanto mais próxima a Lua está da Terra, maior é o caminho do eclipse e a sua totalidade máxima.

Saiba mais sobre os quatro tipos de eclipses solares que podem ser vistos do planeta Terra:

Eclipse Solar Parcial

É o tipo mais comum de eclipse solar, na qual é possível observar parte do Sol obscurecida pela Lua. Um eclipse solar parcial, que ocorreu pela última vez em outubro, é sempre a fase inicial e final de qualquer tipo de eclipse solar.

Eclipse Solar Total

Ocorre quando a Lua se encaixa no disco solar, cortando a sua luz durante alguns instantes, para causar um crepúsculo. A ocorrência de um eclipse quando a Lua está relativamente próxima da Terra faz com que a ponta da sua sombra - em forma de cone - toque a superfície da Terra; e, nesse caso, temos um eclipse solar total.

Este tipo de eclipse pode ser visto a olho nu e é conhecido por ser o mais espetacular dos eclipses solares. A última vez que aconteceu foi no ano passado na Antártida, e este evento ocorre cerca de uma vez a cada 18 meses.

Eclipse Solar Anular

Este eclipse dá-se quando a Lua está mais afastada da Terra e obscurece o centro do disco solar; mas, neste caso, a ponta da sua sombra - em forma de cone - não toca a superfície da Terra. Do planeta é possível observar um anel de fogo a brilhar em redor da Lua, que é uma das opções para ser vista com a utilização de uns óculos específicos.

Eclipse Anular Híbrido

É um tipo raro de eclipse solar que ocorre durante um evento, como o próprio nome diz, híbrido. Este eclipse inicia-se como um eclipse anular e termina como um eclipse solar total. Acontece porque a sombra da Lua não toca a superfície curva da Terra nos extremos - nascer e pôr do Sol. O que o torna tão raro é o alcance, extremamente estreito, da sombra da Lua para atingir a Terra.

A Lua está milimetricamente posicionada para que ambos os eclipses ocorram durante o mesmo evento.

Uma consequência da falta de totalidade é que os observadores conseguem ver uma exibição mais longa das contas de Bailey - os últimos raios de luz que fluem pelos vales da Lua - pouco antes de um espetacular anel de diamante. Isto torna este próximo eclipse anular híbrido uma verdadeira raridade!

Quando acontecerá o próximo eclipse anular híbrido?

No dia 20 de abril de 2023 no Hemisfério Sul, da Austrália até à Papua Ocidental. Mas, quase todo o evento irá acontecer no mar. Poucos são os que compreendem o significado de um eclipse anular híbrido, principalmente pela raridade deste evento, que irá ocorrer apenas sete vezes no século XXI, além da sua breve duração.

No meio deste evento, um eclipse solar total de aproximadamente um minuto será visível. A Península de Exmouth é a única parte da Austrália onde a totalidade será visível, além de Timor-Leste e Papua Ocidental.

Como os eclipses anulares híbridos acontecem apenas a cada uma ou duas décadas, saiba também quais serão as próximas datas em que iremos poder admirar este evento no resto do século XXI:

  • 14 de novembro de 2031 (duração de 1 minuto e 8 segundos);
  • 25 de novembro de 2049 (duração de 38 segundos);
  • 20 de maio de 2050 (duração de 21 segundos) e
  • 6 de dezembro de 2067 (duração de 8 segundos).