Ano de 2018: recordes de calor no globo

A tendência de aquecimento global da atmosfera a longo prazo continuou em 2018, com a temperatura média do ar em todo o globo definida como a quarta maior registada.

Teresa Abrantes Teresa Abrantes 26 Jan. 2019 - 07:32 UTC
Efeito da ilha de calor urbano contribui para temperaturas mais elevadas em grandes áreas urbanas.

De acordo com a NOAA (National Oceanic and Athmospheric Administration), registaram-se em 2018 valores extremos da temperatura máxima em vários locais do globo que ultrapassaram os anteriores registos.

Um dos fatores que tem contribuído de alguma forma para os recordes de calor alcançados em grandes áreas urbanas, tem sido o efeito das ilhas de calor urbano. No entanto o calor extremo de 2018 também se desenrolou em áreas rurais remotas, sem quaisquer ilhas de calor urbano.

O quarto ano mais quente

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM), os 20 anos mais quentes registados no globo encontram-se nos últimos 22 anos, com os quatro primeiros nos últimos quatro anos. O ano de 2018 foi o 4º ano mais quente do globo desde que há registos. Em 2018 é de assinalar vários eventos de calor extremo que ocorreram, destacando-se um número impressionante de temperaturas máximas recordes de todos os tempos.

Os recordes de temperatura máxima registados em 2018 são particularmente relevantes quando se considera que, em média, o planeta está a aquecer mais durante o inverno do que no verão e mais à noite do que durante o dia.

Ainda de acordo com os registos da NOAA, em 2018 houve mais locais dos EUA que igualaram ou ultrapassaram recordes históricos da temperatura máxima do que locais que igualaram ou ultrapassaram recordes históricos da temperatura mínima. Mas o contraste ainda é mais acentuado entre o número de dias com temperaturas mínimas mais elevadas, que está a aumentar, e o número de dias com máximas absolutas, o que tem sido um padrão comum nos últimos anos.

Alguns dos novos recordes da temperatura máxima em 2018 e locais do globo onde se registaram. Fonte: NASA Earth Observatory.

Valores recordes da temperatura máxima

Em 2018 o valor recorde mais elevado do globo, 51,7 °C (125 °F), ocorreu nos Emirados Árabes Unidos, no Dubai, seguindo-se de 51,3 °C (124,3°F), registado em Ouargla, na Argélia, e que é a temperatura mais alta registada oficialmente para África.

Ainda com base nos registos da NOAA, ocorreram inúmeros registos recordes da temperatura máxima relevantes em 2018, além dos assinalados no mapa, associados a ondas de calor intensas que se registaram por todo o globo. O verão de 2018 foi o verão mais quente da Nova Zelândia, com temperaturas médias do ar a atingirem valores extremos. A temperatura máxima registada foi de 38,7 °C (101,7 °F) em Alexandra e o mês de Janeiro de 2018 foi o mês mais quente alguma vez registado na Nova Zelândia.

No Paquistão, em Nawabshah, ocorreu a temperatura mais alta registada para o mês de abril naquele país, 50,2 °C (122,4 °F). Até locais em altitudes surpreendentemente altas atingiram os seus recordes de calor de todos os tempos, como foi o caso no México. No Canadá, Montreal atingiu uma temperatura máxima recorde de 36,6 °C (97,9 °F), enquanto que no Japão, em Kumagaya foi registada a temperatura máxima mais elevada do Japão, 41,1 °C (106 °F).

A Europa foi atingida por ondas de calor muito intensas durante períodos prolongados que levou a temperaturas recordes, secas e incêndios florestais em muitas regiões. Em Etne, Noruega, registou-se um recorde nacional para maio, 32,7 °C (90,9 °F).

Publicidade