tempo.pt

A neve nos Alpes escureceu e tornou-se vermelha, porquê?

Partes da neve dos Alpes na passagem da primavera para o verão adquirem cores vivas como o vermelho-escuro, laranja enferrujado ou rosa limonada. Os habitantes chamam a isso "sang de glacier" ou "sangue glaciar". Saiba mais aqui!

neve vermelha; Antártida;
Apesar de acontecer por razões diferentes, o mesmo fenómeno acontece na Antártida e noutros locais do planeta.

Na verdade, estes tons de vermelho devem-se à pressão das algas. Nos últimos anos, habitats alpinos em todo o mundo sofreram um aumento na proliferação de algas da neve. Embora a razão desta proliferação de algas não seja bem conhecida, o facto é que está a acontecer e provavelmente, não é um bom sinal.

Os investigadores começaram a analisar as algas dos Alpes de forma a entender melhor quais as espécies que lá vivem, como sobrevivem e o que pode estar a empurrá-las para as encostas sangrentas. Algumas das suas descobertas iniciais foram publicadas na Frontiers in Plant Science.

As algas e as suas características

Pequenas, mas poderosas, as bactérias semelhantes às plantas a que chamamos de algas são “a base de todos os ecossistemas”, afirmou Adeline Stewart, autora do estudo, que trabalhou como estudante de doutoramento na Universidade Grenoble Alpes, em França. Graças às suas proezas fotossintéticas, as algas produzem uma grande quantidade do oxigénio e formam a base da maioria das cadeias alimentares.

Apesar das algas trazerem uma série de benefícios, podem trazer alguns malefícios, quando se multiplicam em demasia.

Contudo, o facto de estas se multiplicarem desmedidamente até desequilibrar as coisas, pode levar a fenómenos como marés vermelhas tóxicas, flores de água doce espumosas e "sangue" glaciar.

Embora não esteja claro, a cor - muitas vezes vermelha, mas às vezes verde, cinza ou amarelo - vem de pigmentos e outras moléculas que as algas da neve usam para se proteger da luz ultravioleta. Esses tons absorvem mais luz solar, fazendo com que a neve subjacente derreta mais rapidamente, o que pode mudar a dinâmica do ecossistema e acelerar o desaparecimento dos glaciares.

Como tantos tipos diferentes de algas podem viver e florescer nas montanhas, os investigadores começaram por realizar uma pesquisa em algumas partes dos Alpes franceses para descobrir o que cresce e onde. Foram recolhidas amostras de solo de cinco picos, espalhados por várias altitudes.

Descobriram que muitas espécies tendem a preferir elevações particulares e provavelmente evoluíram para prosperar nas condições encontradas lá. Um género chave, apropriadamente chamado de Sanguina, cresce apenas acima dos 2000 metros.

Porém, fatores gerados pelo Homem podem piorar este fenómeno e torná-lo mais frequente. Condições climáticas extremas, temperaturas excecionalmente quentes e influxos de nutrientes do escoamento agrícola e de esgoto, todos desempenham um papel na proliferação de algas em água doce e oceânica.