tempo.pt

Decálogo de proteção para evitar impactos de relâmpagos

Todos os anos, morrem, em média, 24.000 pessoas em todo o mundo devido ao impacto de relâmpagos. Para reduzir o risco de ser atingido por um deles, oferecemos-lhe uma série de recomendações para evitar os sustos.

Relâmpago
Os impactos de relâmpago causam a morte de milhares de pessoas em todo o mundo todos os anos.

Quando uma tempestade ocorre, quer estejamos ao ar livre ou dentro de casa, devemos ser sempre cautelosos e seguir uma série de recomendações para reduzir o risco de impacto direto ou indireto de um relâmpago, que em muitos casos têm consequências fatais. Na Terra, cerca de 8.600.000 relâmpagos caem diariamente, dos quais uma fracção significativa atingem áreas povoadas ou locais onde pode haver pessoas. Em média, 24.000 indivíduos morrem todos os anos como consequência de relâmpagos, e muitas destas mortes poderiam ser evitadas se toda a população implementasse uma série de medidas preventivas.

Em Espanha, as estatísticas indicam que entre 10 e 15 pessoas morrem todos os anos devido a descargas atmosféricas. Este número era significativamente maior na altura em que a maioria da população vivia em áreas rurais (60 mortes por ano em média, no período 1940-1980), embora na última década tenha sido detetada uma ligeira retoma, devido ao boom das atividades desportivas ao ar livre. Nem todos os relâmpagos - tanto diretos como indiretos - são fatais; em regra, 30% deles são.

É raro que um único relâmpago atinja várias pessoas ao mesmo tempo. O caso mais extraordinário documentado ocorreu na antiga República da Rodésia (atual Zimbabué) em dezembro de 1975. A queda de um relâmpago numa cabana de uma tribal local matou 21 pessoas. Se houvesse um pára-raios, esta catástrofe humana teria certamente sido evitada. Atualmente, ainda existem muitas áreas rurais, especialmente em África, onde este elemento protetor ainda não se encontra instalado. Quer tenhamos ou não um pára-raios, quer estejamos ou não dentro da nossa casa, vale a pena dar a conhecer uma série de recomendações para evitar sustos que podem ser evitáveis.

Se a tempestade nos surpreende ao ar livre

1. Evitar abrigar-se debaixo de uma árvore isolada

Se uma árvore estiver isolada, estamos a correr um grande risco. Por ser um elemento que se destaca no terreno, aumentam as hipóteses de alguns dos raios da tempestade a atingirem; nesse caso, parte do seu tronco e ramos seriam despedaçados de forma explosiva, para além de arder, e sofreríamos as consequências fatais.

Árvore isolada
Árvore isolada numa prado, debaixo de um céu tempestuoso ameaçar. Procurar o seu refúgio quando há tempestade não é uma boa ideia.

2. Evitar promontórios, rochedos, penhascos e cumes...

A primeira medida de prevenção que devemos adotar quando estamos na montanha é evitar as áreas altas, muito expostas, durante as horas do dia em que a atividade tempestuosa é mais comum (a partir das primeiras horas da tarde). Se, mesmo assim, formos surpreendidos com uma tempestade lá no topo, quando nos apercebemos que está a começar a desenvolver-se, devemos abandonar os cumes, falésias, rochedos e promontórios, uma vez que são áreas particularmente expostas ao impacto de relâmpagos.


3. Não observar a tempestade a partir da entrada de uma caverna

É tentador procurar a proteção de uma caverna ou abrigo natural quando uma tempestade nos apanha em campo aberto, e tirar partido desse ponto de vista privilegiado para contemplar o espetáculo visual. É muito perigoso, pois nas grutas, devido à diferença de temperatura que sempre existe entre o exterior e o interior, há sempre uma corrente de ar estabelecida. Este fluxo é uma espécie de íman para as cargas elétricas que ionizam o ar no ambiente tempestuoso, o que pode fazer com que alguns dos raios procurem a entrada da caverna como canal de descarga natural, o que pode ser fatal se estivermos mesmo ali.


4. Não correr pelo campo

Esta é possivelmente a medida mais difícil de adotar, porque quando temos medo - que é o que os relâmpagos e trovões nos provocam - fugimos instintivamente, numa tentativa de nos afastarmos do perigo. A verdade é que é imprudente se estivermos ao ar livre, sem proteção, ensopados, com o solo também molhado pela chuva, e com relâmpagos a atingir as proximidades. Perante esta situação, temos de agir com a cabeça fria. Se transportarmos objetos metálicos (mochila com armação metálica, piolet, telemóvel...), temos de nos livrar deles. Se começarmos a notar que o nosso cabelo se levanta ou que se produz uma faísca quando juntamos dois dos nossos dedos, o ar está muito ionizado e a probabilidade de um relâmpago atingir de forma iminente a nossa posição ou arredores é muito elevada. Temos de seguir a seguinte recomendação (número 5).


5. Agachamento na posição fetal

Com a tempestade acima de nós, os relâmpagos a cair à nossa volta, com o consequente ruído esmagador de trovões, devemos evitar tornar-nos num objeto que se destaque no terreno. Devemos evitar deitar-nos no solo, pois seguramente estará molhado pela chuva, e se um relâmpago impactar a certa distância, o solo húmido atuará como um condutor eficaz de eletricidade, e uma descarga perigosa poderá alcançar-nos, quando em contacto com ele. Só é aconselhável permanecer deitado ou sentado se tivermos um material seco e isolante para este fim. Caso contrário, o que devemos fazer é agachar-nos, reduzindo ao máximo a área de contacto com o solo, para além de ficarmos isolados eletricamente dele graças ao material não condutor das solas das botas. Também agacharemos a cabeça, com as mãos na nuca, adotando a posição fetal.

6. Procurar a segurança de um veículo

O interior de um veículo é um sítio bastante seguro para evitar as consequências fatais de um relâmpago. Um veículo comporta-se como uma "jaula de Faraday", por isso se ficarmos dentro dele estaremos seguros, mesmo que um relâmpago o atinja. Temos de tomar algumas precauções, tais como fechar as janelas, as condutas de ar, bem como desligar o motor e o rádio. Também é muito importante permanecer no interior sem tocar em nenhuma peça metálica no interior do veículo.

Raios no mar
Relâmpagos a cair no mar. Devemos evitar estar em contacto com a água no calor da tempestade.

7. Sair da água se estivermos a tomar banho

No verão, é bastante comum estar a desfrutar de um dia de banho, no mar, num rio, lago ou piscina, e ser surpreendido por uma tempestade. Devemos evitar estar na água depois de termos ouvido o primeiro trovão, momento a partir do qual a queda de relâmpagos é iminente. A água pura é um fraco condutor de eletricidade, o que não é o caso da água salgada do mar, da água de rios e lagos - com o seu teor em sal e minerais - bem como a água tratada (clorada) das piscinas. Em todos estes casos, a eletricidade é conduzida eficazmente, de modo que se, por exemplo, tomarmos banho no mar e um relâmpago atingir a superfície marinha a vários metros - mesmo dezenas deles - longe de nós, as consequências poderão ser fatais.

Se estivermos em casa e houver uma tempestade...

8. Fechar as janelas

As nossas casas, na sua maioria protegidas por um pára-raios, proporcionam-nos segurança contra as tempestades, mas não devemos subestimar os riscos das trovoadas. A principal recomendação é fechar as janelas de casa, evitando assim que se gerem correntes de ar. Normalmente não cumprimos esta regra, pois as tempestades, que ocorrem, de preferência, em dias quentes na primavera e no verão, arrefecem muito o ambiente e normalmente aproveitamos para ventilar a casa, graças às rajadas de vento geradas pelas tempestades. Se não fecharmos as janelas, corremos o risco de que algum um relâmpago encontre na nossa casa o seu canal de descarga. Existem vários casos documentados, alguns deles com consequências fatais.

Relâmpago numa quinta
Relâmpago a atingir o celeiro de uma quinta em Donnellson, Iowa (EUA). © Reuters

9. Evitar estar em contacto com água corrente

A água corrente entra nas nossas casas através dos canos, e quando há uma tempestade, devemos evitar o contacto com ela. Não é uma boa ideia, por exemplo, tomar banho enquanto uma tempestade está a descarregar. O perigo é maior em casas isoladas no campo ou em pequenos núcleos de população, onde a água para consumo costuma ser armazenada num grande tanque, que - junto ao campanário da igreja - é normalmente o edifício mais alto da aldeia e, portanto, o mais exposto ao impacto de alguns relâmpagos.

10. Desligar os eletrodomésticos e dispositivos conectados à rede elétrica

Embora algumas casas disponham de pára-raios nos seus telhados, a manutenção destes nem sempre é adequada, tornando a ligação à terra destes dispositivos ineficaz em muitos casos. O risco de uma sobretensão na corrente elétrica que atravessa as vivendas é elevado em muitas casas quando descarrega uma tempestade com forte potencial elétrico. Para evitar sustos e lamentos, não só porque um computador, uma televisão ou um frigorífico pode ficar inutilizado, mas também porque um incêndio pode deflagrar dentro de casa, uma boa medida preventiva é desligar todos os aparelhos da rede elétrica, evitando assim danos maiores.