tempo.pt

Terramoto no Afeganistão deixa mais de 1.000 mortos e danos graves

Durante a madrugada, foi noticiado um terramoto de alta intensidade numa zona montanhosa rural no leste do Afeganistão. Até ao momento, há mais de 1.000 mortos, segundo informado pelas autoridades do país.

À 01:24 h, hora local de quarta-feira, um sismo de magnitude 5,9 atingiu o Afeganistão, deixando um saldo de pelo menos 1.500 mortos e muitos feridos, além de danos severos nas infraestruturas. O epicentro foi na província afegã de Paktika, cerca de 46 quilómetros a sudoeste da cidade de Khost, de acordo com informações obtidas pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS).

    Acudiram ao local vários helicópteros com médicos a bordo para assistir os feridos. O número de mortos está a aumentar a cada hora: é o terramoto mais mortífero a atingir o Afeganistão em duas décadas.

    Imagens devastadoras deram a volta ao mundo: Paktika ficou debaixo de escombros. "Infelizmente, houve um forte terramoto ontem à noite em quatro distritos da província de Paktika, que matou e feriu centenas dos nossos compatriotas e destruiu dezenas de casas", tweetou o porta-voz do governo Bilal Karimi, pouco depois do impacto.

    Segundo estatísticas do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU, nos últimos 10 anos, mais de 7.000 pessoas morreram em terramotos no país. O sismo coincidiu com fortes chuvas de monção na região, o que fez com que muitas casas feitas de barro colapsassem instantaneamente, informou Najibullah Sadid, especialista afegão em gestão de recursos hídricos. Os esforços de resgate continuarão nas próximas horas.