Vídeo: Ciclone produz severas descargas elétricas no sul do Brasil

Na passada quarta-feira, um centro de baixas pressões começou a afetar o sul do Brasil com forte instabilidade atmosférica gerando intensas descargas elétricas. Explicamos-lhe aqui o que aconteceu.

Na terça-feira à noite (2), no estado brasileiro do Rio Grande do Sul, uma série de trovoadas foram desencadeadas devido a uma grande instabilidade atmosférica. Isto deveu-se à influência de uma massa de ar quente e húmido e de um forte aquecimento diurno, que se intensificou com a chegada de um centro de baixa pressão no dia seguinte.

Durante o verão brasileiro, há sempre um risco elevado de trovoadas com chuvas torrenciais, relâmpagos, granizo e rajadas fortes. As temperaturas elevadas predominantes, por vezes superiores a 35°C, produzem este tempo. Mas nesta ocasião, não foi apenas o calor que foi o fator desencadeante.

Com a entrada do sistema de baixas pressões (quarta-feira 3), houve chuva localmente forte e tempestades isoladas acompanhadas por rajadas ciclónicas. No dia seguinte, o sistema intensificou-se, dando origem a um ciclone extratropical. No estado de Santa Catarina, ocorreu um total de 10.475 relâmpagos. O número corresponde a um terço das descargas elétricas registadas em todo o país durante esse dia, e foi relatado pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Sabia que?: A probabilidade de morrer no Brasil devido ao impacto de um relâmpago é de 1 em 25 mil, segundo dados do Elat.

O sul do Brasil foi afetado pela incidência da circulação ciclónica que se intensificou na tarde de quinta-feira (4) pela forte instabilidade do aquecimento diurno, o que estimulou a formação de nuvens com grande desenvolvimento vertical. No Rio Grande do Sul também caiu chuva acompanhada de muitos relâmpagos.