Novo alerta da ONU sobre alterações climáticas

O secretário-geral da ONU, António Guterres, voltou a alertar para os riscos das alterações climáticas e deixou um alerta a todos os líderes mundiais, afirmando que a vontade política está mesmo ausente.

Lidia Magno Lidia Magno 29 Jan. 2019 - 05:36 UTC
Novo alerta da ONU para a corrida contra o tempo.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou mais uma vez que as alterações climáticas estão a ocorrer a um ritmo mais rápido do que as medidas para travar o aquecimento global.

A intervenção de António Guterres foi feita via Facebook, dirigida aos líderes mundiais presentes em Davos, na Suíça, para os trabalhos da Cimeira Económica e Social. No discurso, o Secretário-Geral da ONU, foi peremptório, ao afirmar que o mundo está em risco de perder a corrida contra o tempo. A aceleração da mudança do clima é um facto e há falta de vontade política para inverter a situação.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou hoje que vai pedir aos líderes na cimeira do G20, que avancem com uma “globalização justa”, defendendo medidas mais ambiciosas contra as alterações climáticas.Os trabalhos do G20 decorrem em Buenos Aires na Argentina. De acordo com o secretário-geral das Nações Unidas, os países devem trabalhar juntos para responder a estes problemas e promover uma "globalização justa", utilizando os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável acordados em 2015, como base.

"Uma tragédia para o Planeta"

“Estamos em risco de perder a corrida” face à aceleração da mudança do clima, disse António Guterres e há falta de "vontade política". “As alterações climáticas correm mais depressa do que nós, estamos em risco de perder a corrida e isso pode ser uma tragédia para o planeta”, declarou Guterres. “A vontade política está ausente”, lamentou.

Ao mesmo tempo, Guterres enfatizou a necessidade de se atuar para evitar um grande desastre climático.
Guterres sublinhou que os custos de não agir em face do aquecimento global serão muito maiores do que os investimentos necessários para reduzir as emissões de gases com efeito estufa e promover um crescimento mais ecológico.

Questionado sobre a posição do Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, que retirou o seu país do Acordo de Paris e reiterou que não acredita nas alterações climáticas, o secretário-geral das Nações Unidas disse ser necessário "olhar para além das ações dos governos".
"Nós vemos uma reação muito importante da sociedade civil, das empresas, das cidades. António Guterres considerou ainda ser perfeitamente possível que os Estados Unidos cumpram os compromissos do Acordo de Paris.

Publicidade