tempo.pt

Climate Clock em Nova Iorque: o prazo limite da Terra

Contamos-lhe em que parâmetros se baseia este relógio, bem como a que se refere. Além disso, refletimos sobre a importância de não aumentar em 2°C a temperatura da Terra.

Como parte da Semana do Clima, um relógio de contagem decrescente está definido para alterar substancialmente as fontes de energia.
Como parte da Semana do Clima, um relógio de contagem decrescente está definido para alterar substancialmente as fontes de energia.

Hoje, por volta das 15 horas, apareceu a seguinte mensagem no metrónomo da Union Square em Nova Iorque: "A Terra tem um prazo limite. Depois disso, foram exibidos os números 7:82:20:48:20, que se referem a 7 anos, 82 dias, 20 horas, 48 minutos e 20 segundos, simbolizando o tempo que resta para os países tomarem medidas decisivas para manter o aumento da temperatura global abaixo de 1,5°C.

Este projeto chama-se Climate Clock, e é uma colaboração de artistas, ativistas e claro, cientistas do clima, incluindo Ottmar Edenhofer do Mercator Research Institute on Global Commons e and Climate Change (MCC) e Richard Heinberg do Post-Carbon Institute. A metodologia que utilizam para estimar o tempo até ao prazo limite é a do MCC, que através dos dados do recente Relatório especial do IPCC, estima as possibilidades de permanecermos abaixo de um limiar perigoso de aquecimento.

O MCC explica que a atmosfera pode absorver, calculado a partir do final de 2017, não mais do que 420 gigatoneladas (Gt) de CO2 se quisermos permanecer abaixo do limiar de 1,5°C. No entanto, são emitidos cerca de 42 Gt de CO2 por ano, ou seja, 1332 toneladas por segundo. E é a partir destes dados que é calculado o prazo limite para tomar as principais medidas sobre a transição energética necessária a nível mundial.

Então, o mundo acabaria em 7 anos?

Não, mas se continuarmos a utilizar CO2 como o fazemos na atualidade, atingiremos uma quantidade de emissões que nos levará a um destino com um aquecimento do planeta superior a 1,5°C, e, portanto, a um risco cada vez mais elevado de não termos forma de voltar atrás para evitar as consequências que isso traria no futuro.

Como podemos beneficiar de manter a temperatura global abaixo deste aumento em vez dos 2°C?

De acordo com as Nações Unidas, até 2100 a subida do nível do mar a nível global seria 10 cm mais baixa com um aquecimento global de 1,5°C. As probabilidades de um oceano Ártico sem gelo durante o verão diminuirão para uma vez por século, em vez de uma vez por década. E os recifes de coral diminuiriam em 70-90% com um aquecimento global de 1,5°C, enquanto que com 2°C quase todos (99%) se perderiam.

Por isso é que é tão importante que os países garantam uma vida digna para as gerações futuras através de mudanças nas suas políticas energéticas, é a razão pela qual debaixo dos números 7:82:20:48:20 do Climate Clock, existe um número em verde que representa a percentagem de energia que provém de fontes renováveis.

Perante isto, como população devemos tentar votar em eleições públicas para estratégias que promovam energias mais verdes, para além de exigir que os atuais representantes aumentem a sua utilização, só desta forma evitaremos encontrar-nos em situações ambientais cada vez mais perigosas para nós próprios.