tempo.pt

A noite polar está a chegar: lugares onde o Sol desaparecerá até março

Manter a calma e a compostura na noite polar não deve ser nada fácil. Basta perguntar às áreas que não voltarão a ver o Astro Rei durante meses após o equinócio.

Tromso
A noite polar está a chegar a muitos lugares do Pólo Norte. Imagem de Tromsø durante o inverno.

Se a natureza tem os seus caprichos, este é certamente um deles. Aproxima-se a noite polar, um período em que o sol não se levantará durante vários meses, os termómetros marcarão temperaturas gélidas e muitas cidades ficarão cobertas por uma bonita geada invernal durante muitos dias, porque acontece e onde é que a podemos ver?

Primeiro falemos do equinócio

No Pólo Norte, a noite polar começa quando o sol se põe em torno do equinócio de outono, que será esta sexta-feira, 23 de setembro. Após esse dia, a duração da noite será de cerca de... meio ano. Sim, dias sem sol até à chegada do equinócio da primavera, quando começará o dia polar e os dias com 24 horas de luz.

Leu isto com atenção? Ótimo, por isso agora imagine tudo ao contrário no hemisfério sul. Ali, as áreas dentro do Círculo Polar Antártico experimentam os dias polares precisamente quando o Ártico tem as suas noites. A chave é que ocorrem sempre durante os "meses de inverno" que são: para o hemisfério norte de setembro a março e para o hemisfério sul de março a setembro.

Lugares com noites polares

Embora isto aconteça em muitos lugares do hemisfério norte como o Alasca, Suécia, Gronelândia ou Rússia, é a Noruega que normalmente nos vem à cabeça, onde se promovem a si próprios como a "terra do sol da meia-noite (para o verão)". Svalbard é o lugar por excelência, um arquipélago no oceano Ártico. Ali mesmo, o céu tornar-se-á em breve tão escuro que os dias parecerão noites de novembro a janeiro.

Barrow, no Alasca, também é bastante popular. Uma aldeia de 4.400 pessoas reúne-se por volta de 20 de novembro para assistir ao último pôr do sol do ano. Este lugar diz adeus à luz solar durante mais de 60 dias até que o Sol volte a alcançar o horizonte por volta de 23 de janeiro. Este momento capturado no ano passado pode ser visto no seguinte tweet.

Na Rússia, a maior cidade do Círculo Polar Ártico fica sem luz solar durante cerca de 40 dias. Chama-se Nurmansk, um dos epicentros da exportação de carvão da Europa. Ao contrário de outras cidades menos ativas, esta cidade mantém-se atarefada durante o Inverno graças à corrente marinha quente do Atlântico que impede que as suas águas congelem.

Como é que se vive a noite polar?

Longe de significar uma temporada imóvel, algumas cidades como Tromsø, na Noruega, inauguram a sua época de turismo. Milhares de viajantes de todas as partes do mundo deslocam-se para praticar desportos de inverno, observar baleias-jubarte ou caçar auroras, sobretudo nos meses de janeiro e de fevereiro.

Durante as noites polares, o frio intensifica-se e não cessa. A temperatura pode não subir acima dos -20 °C e as mínimas podem baixar abaixo dos -50 °C. A maioria das vilas e cidades continua a sua rotina diária, embora acumulem mais tempo dentro de casa e aproveitem a oportunidade para se reunirem com amigos e familiares para bebidas quentes. Dependem do boletim meteorológico para saber se poderão ir à escola, ao trabalho ou diretamente às compras.