tempo.pt

A Hora do Planeta: E quanto às outras 8.759 horas do ano?

Este sábado, 27 de março, a humanidade mostrará o seu apreço pela biodiversidade desligando as luzes dos edifícios, monumentos e casas durante uma hora. É um gesto, e é apreciado, mas o que acontece aos nossos hábitos no tempo restante?

A Hora do Planeta
Resolver o problema não passa apenas por apagar a luz uma hora, uma vez por ano. Contudo, a iniciativa lembra-nos que a natureza é o nosso suporte de vida. Devemos educar, exigir e mudar desde agora, para sempre e com todos.

Cada gesto em benefício da vida na Terra (biodiversidade) é necessário, sendo urgente adicioná-los em maior quantidade, amplitude e frequência. Além disso, precisamos de transformar estes gestos em hábitos, num modo de vida. Mas até isto acontecer, pelo menos na sua maior parte, todos os passos dados nesta direção são apreciados. Um deles é A Hora do Planeta.

Do que se trata? É uma ação voluntária que surgiu em Sydney, Austrália, em 2007, "para chamar a atenção para o problema das alterações climáticas. Um gesto simples que consiste em apagar as luzes de edifícios e monumentos durante uma hora", afirma a World Wildlife Fund (WWF), a organização de conservação que promove a iniciativa.

A Hora do Planeta 2021 convida-nos a apagar as luzes das nossas casas este sábado 27 de março a partir das 20h30 (hora de Portugal continental) durante 1 hora como "um símbolo com o qual queremos recordar que a natureza é o sistema de suporte de vida do planeta, que nos dá tudo o que precisamos, desde o ar que respiramos à água que bebemos e aos alimentos que comemos, e que devemos defendê-la agora para salvaguardar a saúde do nosso planeta e, por sua vez, a nossa própria saúde e bem-estar", realça a WWF, uma instituição que surgiu em Zurique, Suíça, em 1961.

Apagar as luzes, e desligar, durante apenas uma hora por ano, pode ajudar-nos a entender o que é realmente necessário e importante para as nossas vidas e futuro. Não apenas como indivíduos, mas também como humanidade.

Esta iniciativa tem lugar em cerca de 200 países e, no ano passado, as luzes foram apagadas em mais de 17 mil monumentos por todo o mundo, incluindo edifícios simbólicos como a Torre Eiffel em Paris, França, ou o Coliseu em Roma, Itália.

"2021 é um ano decisivo para a proteção da natureza, uma vez que os líderes mundiais vão tomar decisões políticas fundamentais sobre a ação climática, o desenvolvimento sustentável e a natureza. Em maio vai realizar-se a Cimeira da Biodiversidade em Kunming, China, seguida da Cimeira Climática de novembro em Glasgow, Grã-Bretanha. Estes serão momentos cruciais para alcançar um plano global ambicioso para transformar a relação da sociedade com a biodiversidade e assegurar que, até 2050, a visão partilhada de viver em harmonia com a natureza seja cumprida", observa a organização de conservação.

Até que se torne um hábito

Em média, o ano tem 8.760 horas. Este sábado, 27 de março, muitos irão refletir sobre a crise climática e ecológica da Terra durante A Hora do Planeta, mas o que ocorre com os nossos hábitos durante o tempo restante?

Este é o grande desafio, ainda mais, quando consideramos a letargia dos líderes mundiais no momento de implementar as medidas relevantes para conter alguns dos danos que a nossa atividade está a causar, dia a dia, minuto a minuto, segundo a segundo, à biodiversidade e, portanto, à própria existência dos seres humanos. Pela mesma razão, 1 hora não é suficiente.

O que fazer a nível do cidadão? A primeira coisa a fazer é EDUCAR, conversar, informar. Trazer estas questões à mesa no âmbito familiar, com amigos, na comunidade. Porque se tornarmos este primeiro desafio uma realidade, poderemos avançar, com os fundamentos e conhecimentos necessários, para o segundo passo: EXIGIR. Exigir aos que nos governam, aos que administram, mas também exigir a nível local que sejamos guiados através de um modo de vida sustentável. Assim, habilitados, além disso, podemos MUDAR. Sim, mudar os nossos hábitos, porque asseguro-vos que há muitas coisas que podem fazer melhor na vossa vida quotidiana.

EDUCAR, EXIGIR, MUDAR, e não só durante uma hora; mas de agora em diante e para sempre com TODOS. É a única forma.