tempo.pt

Esta foi a década mais quente desde que há registos!

A década 2011-2020 será a década mais quente da história desde que há registos de temperatura. Aqui são analisados os anos mais quentes dos últimos dez anos, bem como a previsão para 2021. Confira todos os detalhes!

aquecimento global;
O planeta continua a aquecer.

O ano 2020 está a caminho de se encontrar entre os dois anos mais quentes da história. De acordo com o último relatório provisório da Organização Meteorológica Mundial (OMM) sobre o Estado do Clima, todos os dados obtidos até agora colocam 2020 como o 2º mais quente desde que existem registos.

Década 2011-2020

O ano mais quente ocorreu em 2016. A seguir a 2016 e 2020, 2019 foi o 3º ano mais quente.Neste ano de 2020 mais de 80% do oceano global sofreu uma onda de calor marinho em algum momento do ano e, no início de dezembro, o calor oceânico estava a níveis recorde, o que também contribui para um aumento da temperatura do ar.

Desde a década de 1980, cada década tem sido mais quente do que a anterior e espera-se que essa tendência continue devido aos níveis recorde de gases com efeito de estufa que retêm o calor na atmosfera. O dióxido de carbono, em particular, permanece na atmosfera durante muitas décadas, comprometendo assim o planeta com o aquecimento futuro.

A temperatura média global em 2020 está fixada em cerca de 1,2 °C acima do nível pré-industrial (1850-1900). Há pelo menos uma hipótese em cinco de exceder temporariamente 1,5 °C até 2024, de acordo com o “Global Annual to Decadal Climate Update” da OMM, liderado pelo Serviço Meteorológico do Reino Unido.

Anomalias de temperatura;
A última década foi a mais quente desde 1880. (Fonte: NOAA)

A previsão anual da temperatura global do Serviço Meteorológico do Reino Unido para 2021 sugere que o próximo ano entrará novamente na série dos anos mais quentes da Terra, apesar de ser influenciado pelo arrefecimento temporário de La Niña no início do ano.

La Niña e El Niño

Os anos quentes recordes coincidiram normalmente com um forte evento El Niño, como foi o caso em 2016. No entanto, neste final do ano de 2020 estamos com um evento La Niña, que tem um efeito de arrefecimento nas temperaturas globais, mas não tem sido suficiente para travar o calor deste ano.

De acordo com a maioria dos modelos, espera-se que o La Niña atinja o seu pico de intensidade em dezembro de 2020 ou janeiro de 2021 e continue durante a primeira parte de 2021.

O fenómeno La Niña é um fenómeno natural que envolve flutuações das temperaturas da superfície oceânica no Pacífico equatorial, juntamente com alterações na circulação atmosférica. Consiste na descida da temperatura da superfície das águas do Oceano Pacífico Tropical Central e Oriental, afetando as temperaturas, precipitação e padrões de tempestade em muitas regiões do globo.

La Niña tem tipicamente uma influência de arrefecimento nas temperaturas médias globais, enquanto que El Niño tem o efeito oposto, um aumento da temperatura da superfície das águas do Oceano Pacífico Tropical Central e Oriental, com consequente aquecimento das temperaturas médias globais.