Morte do rover Opportunity confirmada pela NASA

Em junho de 2018, uma tempestade de areia atingiu o veículo Opportuniy em Marte. Permanecendo incontactável com a NASA, esta optou por dar por terminada a sua missão, uma das mais bem-sucedidas do planeta vermelho.

Alfredo Graça Alfredo Graça 19 Fev. 2019 - 18:32 UTC
Opportunity
O rover Opportunity a percorrer a superfície de Marte.

Depois de quase 15 anos a explorar a superfície marciana, o rover Opportunity da NASA finalizou oficialmente a sua missão, deixando um legado de descobrimentos e experiência que servirão de auxílio e suporte a projetos que já estão em andamento para o retorno ao planeta vermelho.

O rover deixou de comunicar com a Terra durante uma enorme tempestade de areia que assolou Marte em junho do ano passado. Desde então, os responsáveis pela missão incumbiram-se de reestabelecer contacto, enviando mais de um milhar de comandos a partir do Laboratório de Propulsão a Jato (Jet Propulsion Laboratory) da NASA. A última tentativa de consertar o veículo foi há uma semana atrás (dia 12), contudo foi em vão. A última comunicação que foi rececionada foi no passado 10 de junho, quando o rover ainda detinha os seus painéis solares operacionais.

Concebido inicialmente para durar apenas 90 dias marcianos, ligeiramente maiores que os terrestres, e percorrer um quilómetro, o Opportunity logrou superar todas as expectativas no que concerne à resistência, longevidade e valor científico dos seus dados. Para além de incrementar 60 vezes a sua esperança de vida, conquistou o feito de percorrer 45 km.

Segundo afirmações de John Callas, um dos responsáveis pelo JPL, “Durante oito meses fizemos todas as tentativas razoáveis de engenharia para recuperá-lo, mas determinamos que a probabilidade de apanhar um sinal era demasiado reduzida para continuar".

Na cratera Endeavour encontrou possíveis vestígios de ação de antigas massas de água que no passado lavraram o planeta vermelho.

O Opportunity chegou à região marciana Meridiani Planum a 24 de janeiro de 2004, sete meses após o seu lançamento a partir do Cabo Cañaveral na Florida. Possuiu um veículo gémeo, o Spirit, que aterrou 20 dias antes na cratera Gusev no outro lado de Marte e percorreu quase 8 km antes de deixar de funcionar em maio de 2011.

As façanhas do Opportunity

    • A 20 de março de 2005 estabeleceu o recorde de condução em Marte em apenas um dia, quando deslocou-se 220 metros.
    • Providenciou mais de 217.000 imagens, incluindo 15 panorâmicas de 360 graus a cores.
    • Expôs as superfícies de 52 rochas a fim de analisar os seus minerais, para além de limpar com um pequeno escovilhão outras 72 para examinar com espectrómetros e câmara microscópica.
    • Na sua zona de aterragem encontrou hematite, um mineral que se forma perante a presença de água.
    • Na cratera Endeavour descobriu fortes evidências da ação de antigas massas de água, semelhantes às de um lago ou lagoa na Terra.
    • Por tudo isto, e graças às conquistas realizadas pelo Opportunity, pode-se supôr que num passado longíquo em termos crono-geológicos Marte terá sido um planeta húmido e portanto, potencialmente habitável.
    Publicidade