tempo.pt

Monitorização de 30 anos da subida do nível do mar: o que está a acontecer?

Há trinta anos, cientistas e engenheiros lançaram um novo satélite para estudar a subida e descida dos mares ao longo do tempo, uma tarefa que só podia ser feita a partir da costa.

marégrafo
Marégrafo ou estação do nível do mar, controlada por sistema de satélite.

O TOPEX/Poseidon entrou no espaço a 10 de agosto de 1992 e iniciou um levantamento de dados de 30 anos da altura da superfície oceânica, à escala global, onde os cientistas concluíram o mesmo que observam na linha de costa: os mares estão a subir, e o ritmo está a acelerar.

Os cientistas descobriram que o nível médio global do mar subiu 10,1 cm, desde 1992. Ao longo dos últimos 140 anos, os satélites e os marégrafos em conjunto mostram que o nível global do mar subiu entre 21 a 24 centímetros.

Começando com o satélite TOPEX/Poseidon, a NASA e as agências espaciais parceiras têm lançado uma série contínua de satélites que utilizam altímetros de radar para monitorizar a topografia da superfície do oceano - essencialmente, a forma vertical e a altura deste.

Os altímetros de radar enviam continuamente impulsos de ondas de rádio (micro-ondas) que refletem da superfície do oceano de volta para o satélite. Os instrumentos calculam o tempo necessário para o retorno do sinal, enquanto rastreiam a localização precisa do satélite no espaço.

Investigação espacial do nível do mar

Desde 1992, cinco missões com altímetros semelhantes têm repetido a mesma órbita de 10 em 10 dias: TOPEX/Poseidon (1992 a 2006), Jason-1 (2001 a 2013), a Ocean Surface Topography Mission/Jason-2 (2008 a 2019), Jason-3 (2016 a apresentar), e Sentinel-6 Michael Freilich (2020 a apresentar).

As missões foram construídas através de várias parcerias entre a NASA, o Centre National d'Etudes Spatiales (CNES) de França, a Organização Europeia para a Exploração de Satélites Meteorológicos (EUMETSAT), a Agência Espacial Europeia (ESA), e a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA).

Juntas, as equipas da missão reuniram um registo unificado e padronizado de topografia oceânica que é equivalente ao trabalho de meio milhão de marégrafos. Os cientistas acumularam e corroboraram um registo de dados que é agora suficientemente longo e sensível para detetar alterações globais e regionais do nível do mar para além dos ciclos sazonais, anuais e decadais que ocorrem naturalmente.

A subida do nível do mar está a acelerar

Os dados de altimetria também mostram que a taxa de subida do nível do mar está a acelerar. Ao longo do século XX, o nível médio global do mar subiu a cerca de 1,5 mm por ano. No início dos anos 90, era de cerca de 2,5 mm por ano. Durante a última década, a taxa aumentou para 3,9 mm, por ano.

Embora alguns milímetros de subida do nível do mar por ano possam parecer pequenos, os cientistas estimam que cada 2,5 cm de subida do nível do mar se traduzem em 2,5 metros, em média, de praia perdidos, ao longo da costa. Também significa que as marés altas e os surtos de tempestade podem subir ainda mais alto, trazendo mais inundações costeiras.

A subida do nível do mar, mesmo que em milímetros, pode significar uma mudança drástica nas linhas de praia e impulsionar os efeitos das tempestades costeiras.

Num relatório publicado em fevereiro de 2022, cientistas norte-americanos concluíram que até 2050 o nível do mar ao longo da costa dos EUA poderia subir entre 25 a 30 centímetros, acima dos níveis atuais.