Crise em São Vicente e Granadinas: nova erupção do vulcão La Soufrière

O vulcão de La Soufrière, localizado na ilha de São Vicente no mar das Caraíbas, continua em atividade desde que entrou em erupção a 9 de abril. A região está em crise, o que levou a um pedido de ajuda do Primeiro-Ministro Ralph Gonsalves à comunidade internacional. As imagens são impressionantes!

O vulcão La Soufrière, situado na ilha de São Vicente no mar das Caraíbas, entrou em atividade 40 anos depois da última erupção, no passado dia 9 de abril, 40 anos após a última ocasião. Vários eventos explosivos já ocorreram desde então. A maior explosão da atual erupção gerou fluxos piroclásticos pelos flancos sul e sudoeste do vulcão.

Para já, a ilha permanece sob uma chuva de cinzas, com regiões da ilha sem energia e água potável, sendo que cerca de 20.000 pessoas foram diretamente afetadas pelas erupções vulcânicas em São Vicente e Granadinas. Como o vulcão La Soufrière permanece altamente ativo, é muito provável que estes números aumentem nas próximas semanas e meses.

"Por toda a nossa terra, os rostos de homens e mulheres estão de luto e ansiosos. Eles estão a sofrer enormemente", disse o Primeiro-Ministro Ralph Gonsalves ao Conselho de Segurança da ONU, dizendo que o seu país enfrenta "um monumental desafio de ajuda humanitária".

A Agência de Gestão de Emergências em Catástrofes das Caraíbas declara que explosões de magnitude semelhante ou maior poderão continuar a ocorrer nos próximos dias, afetando não apenas São Vicente e Granadinas, mas também Barbados, Santa Lúcia, Granada e Antígua e Barbuda.

Os voluntários da Cruz Vermelha de São Vicente e Granadinas têm apoiado os esforços de evacuação, fornecendo primeiros socorros, promovendo a prevenção da COVID-19, e distribuindo água, cobertores, kits de higiene e artigos de primeira necessidade às famílias abrigadas.

A Agência de Gestão de Emergências em Catástrofes das Caraíbas (CDEMA, pelas suas siglas em inglês) informou que explosões de magnitude semelhante ou maior continuarão provavelmente a ocorrer nos próximos dias, resultando em queda de cinzas que afetam não só São Vicente e Granadinas, mas também Barbados, Santa Lúcia, Granada, e Antígua e Barbuda, em imagens que também são visíveis por satélite, pelo que o vulcão permanece em alerta vermelho.